domingo, 11 de março de 2012

CHUVA

Esse final de semana está chuvoso... as nuvens decidiram chorar ... e muito... Quando chove, meus amigos, lembro-me do sertão... não pelo excesso de chuva, mas pela escassez dela, e... também, porque meu primeiro poema tem uma relação intensa com esse  fenômeno natural. Há trinta anos, eu escrevia o meu primeiro poema. Ele faz parte do meu primeiro projeto de poesia: "Retalhos de minh'alma".
CHUVA
Chuva que cai
chuva que molha
chuva que sai
pelo mundo afora.

Chuva maldita
chuva senhora
chuva que habita
o momento e a hora.

Chuva que passa
chuva que atormenta
chuva que arrasa
o coração que pensa.

Chuva com sol
chuva com lua
chuva que em prol
lava a minha rua

Chuva que é dor
chuva que é paixão
chuva que não é amor
Mas sim, a solidão.

Um comentário:

  1. Professor, que belo poema...
    Sempre leio teu blog... Dê uma olhadinha no meu: http://escritosdepaulinho.blogspot.com.br/
    De vez em quando, arrisco uns rabiscos...

    Ass.: Paulo Meireles

    ResponderExcluir